domingo, 3 de setembro de 2017

Gengibre para turbinar o cérebro.


Gengibre
Quando você pensa em gengibre, as primeiras coisas que vêm em mente são o quentão ou chá de gengibre que se toma no inverno, as balas de gengibre que usamos para garganta ou aqueles biscoitinhos deliciosos que as avós faziam antigamente.

Tudo isso é muito bom e gostoso, mas o gengibre tem muito mais para nos oferecer. Ele pode ser usado tanto como uma especiaria culinária quanto um poderoso remédio herbal, com muitos benefícios para saúde física e mental.

O gengibre (Zingiber officinale) é uma das especiarias culinárias mais antigas e mais utilizadas no mundo. Ele provém do rizoma de uma planta nativa do sudeste da China, uma região cujas culinárias ainda apresentam esta erva maravilhosamente picante. Apesar de sua origem, essa planta pode ser cultivada em qualquer lugar quente e úmido do planeta. Hoje, os principais produtores comerciais de gengibre incluem Jamaica, Índia, Fiji, Indonésia e Austrália.

Chamar o gengibre de raiz, não é correto. Na verdade, ele é um rizoma, uma parte do caule da planta que é subterrâneo.

Gengibre - rizoma com o caule

História
O gengibre vem sendo utilizado há milênios por muitas culturas em todo o mundo. Seus usos são mencionados nos antigos escritos chineses, indianos e do Oriente Médio e tem sido apreciado e valorizado por suas propriedades aromáticas, culinárias e medicinais. Os antigos romanos já importavam o gengibre da China há quase dois mil anos, por isso sua popularidade na Europa permaneceu centrada na região do Mediterrâneo até a Idade Média, quando seu uso se espalhou para outros países. Embora fosse um tempero muito caro na época, devido ao fato de ser importado da Ásia, mesmo assim tinha grande demanda. Na tentativa de torná-lo mais disponível, os exploradores espanhóis introduziram o gengibre nas Índias Ocidentais, no México e na América do Sul, e no século 16, essas áreas começaram a produzir e exportar os preciosos rizomas dessa erva para a Europa. Até nos dias de hoje é considerado uma das mais importantes ervas medicinais das práticas de cura tradicionais das medicinas ayurvédica e chinesa. Atualmente, o gengibre é em praticamente consumido em todo mundo.

Usos medicinais
Ao longo da história, seu principal uso tradicional como erva medicinal tem sido no tratamento de distúrbios digestivos de todos os tipos, mas também é usado para tratar artrite, dores musculares, dores em geral, cólicas, resfriados, gripes, dores de garganta, asma, náuseas e diabetes.

Atualmente, a ciência moderna está começando a entender como funciona o gengibre. Até agora, mais de 100 compostos foram identificados em seu rizoma, sendo que mais de 50 são antioxidantes.

O gengibre é da mesma família que a cúrcuma e foi comprovado que também é um excelente anti-inflamatório, que funciona tão bem quanto a aspirina. Ambos contêm a curcumina composta, embora o gengibre contenha quantidades menores, não deixa de ser um potente remédio natural. A curcumina é naturalmente um anti-inflamatório, antioxidante, antiviral, antibacteriano e antifúngico. Somente esse composto isolado, é usado para tratar alergias, asma, Alzheimer, câncer, depressão, doenças cardíacas e muito mais.

Quando os nossos avós usavam gengibre para cura, estavam no caminho certo e na maior parte das vezes obtinham seus benefícios corretos.

Pesquisas recentes têm comprovado os inúmeros benefícios do gengibre à saúde, especialmente aqueles ligados ao cérebro e à saúde mental. O gengibre tem sido usado para tratar a demência e a perda da memória. Recentemente, pesquisas tem mostrado que ele melhora uma grande variedade de outras funções cognitivas além da memória.

Doença de Alzheimer
O gengibre pode até proteger o cérebro contra a doença de Alzheimer. Um composto encontrado no gengibre, 6-gingerol, aumenta a atividade da acetilcolina, um neurotransmissor que desempenha um papel importante na aprendizagem e na memória. As melhores drogas para Alzheimer disponíveis hoje em dia, funcionam por um mecanismo similar. Drogas como o Aricept, retardam a progressão da doença ao bloquear uma enzima que quebra a acetilcolina. O gengibre também melhora e protege as nossas células gliais, que são as células não neuronais do sistema nervoso central que proporcionam suporte e nutrição aos neurônios. Elas protegem os neurônios e removem detritos metabólicos e toxinas que contribuem para o Alzheimer.

Neurotransmissores
O gengibre aumenta os níveis cerebrais de neurotransmissores importantes. Os neurotransmissores são basicamente compostos por substancias químicas usadas pelas células cerebrais para se comunicarem umas com as outras. Eles controlam a capacidade de nos concentrarmos, lembrarmos, regularmos o humor, controlarmos a ansiedade, vícios, sono e muito mais. O gengibre aumenta os níveis desses importantes químicos cerebrais, incluindo a dopamina e a serotonina. A dopamina é considerada a “molécula da motivação”, é ela que nos ajuda a nos concentrarmos e sermos produtivos. A serotonina atua no cérebro regulando o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, sensibilidade a dor, movimentos e as funções intelectuais.

Radicais Livres
Biscoitos de Gengibre
O gengibre protege o cérebro dos danos causados pelos radicais livres, inflamações e toxinas. Os
radicais livres são moléculas de oxigênio não ligadas, que são um subproduto natural do metabolismo, cuja superprodução conduz à inflamação, ao envelhecimento celular prematuro e pode danificar as células ao nível do DNA. O cérebro é particularmente susceptível aos danos dos radicais livres, pois usa muito oxigênio. Os radicais livres são causados por ocorrências cotidianas como estresse, falta de sono, frituras, poluição do ar, radiação do celular ou do computador.
O gengibre é rico em dois grupos de antioxidantes –  shaogaols e gingerols, que protegem o cérebro de ser prejudicado pelos radicais livres. Os antioxidantes do gengibre também protegem o cérebro de outros danos e melhoram a perda de memória após um AVC.

Excitotoxinas
Excitotoxina é toda a substância capaz de fazer as células cerebrais dispararem impulsos nervosos contínuos, o que ocasiona na maioria das vezes a morte dessas células. Dois exemplos de excitotoxinas são o glutamato monossódico (MSG) presente nos caldos de carne em tabletes e em inúmeros alimentos processados e os adoçantes naturais e artificiais, como a sacarina, sucralose e aspartame. O MSG é onipresente em alimentos processados, como não é considerado prejudicial à saúde pela ANVISA é encontrado até em alimentos denominados “saudáveis”.  Os adoçantes também tem venda livre. No entanto, a investigação científica mostra que a sucralose (Splenda) é um tóxico ambiental, altamente nocivo para a saúde humana, que pode desequilibrar a tiróide, destruir a flora intestinal, contribuir para o aumento de peso e diminuição da imunidade. Esses aditivos neurotóxicos prejudicam muito o nosso cérebro e o gengibre funciona como um protetor contra seus efeitos deletérios.

Inflamação crônica
A inflamação crônica é um fator que contribui para sete das dez principais causas de morte, incluindo a doença de Alzheimer. A inflamação crônica no cérebro pode levar a ansiedade, TDAH, confusão mental, depressão e perda de memória. Ainda não se sabe exatamente as propriedades anti-inflamatórias do gengibre, mas seus efeitos no cérebro são atribuídos principalmente a dois compostos: 10-gingerol e 6-shogaol.

Sensibilidade à insulina
Os antioxidantes encontrados no gengibre, conhecidos como gingeróis, aumentam a sensibilidade à insulina e podem evitar as complicações diabéticas, muitas das quais são neurológicas. Controlar os níveis de açúcar no sangue é muito importante para a saúde do cérebro à longo prazo. Existem suspeitas de que a doença de Alzheimer seja um tipo de diabetes que ocorre quando as células do cérebro se tornam resistentes à insulina e não conseguem absorver a glicose, a principal fonte de energia do cérebro. Alguns cientistas já consideram o Alzheimer como a diabetes tipo 3.

Fadiga Adrenal
O cansaço excessivo não é o único sintoma de fadiga adrenal. Outros sintomas incluem “névoa mental”, depressão, ansiedade, insônia e incapacidade de lidar com o estresse. Especialistas em fadiga adrenal, recomendam o consumo de gengibre, juntamente com ginkgo biloba e ginseng como parte do tratamento. Essas ervas naturais, são consideradas adaptogênicas e fortalecem as glândulas suprarrenais, aumentam a resiliência ao estresse e modulam os níveis de cortisol, o hormônio do estresse.

Gengibre na culinária
O gengibre é mais ou menos um tempero universal, embora seus usos sejam mais predominantes em certos países como a China. O gengibre é usado na culinária de várias formas, gengibre fresco, gengibre seco, óleo de gengibre, óleo-resina de gengibre, gengibre seco solúvel, pasta de gengibre e emulsão de gengibre. É um ingrediente muito comum nas receitas.

Ginger Ale natural e saudável
Incluir este tempero aromático na dieta é fácil, pois o gengibre é incrivelmente versátil. A fragrância e o seus sabores únicos, provêm de seus óleos naturais, sendo o mais importante o gingerol.  Comumente é usado pelas culinárias asiáticas, onde é adicionado a legumes salteados ou carnes preparadas na frigideira wok ou servido em conserva com sushi.

O gengibre combina bem com sabores adocicados, dessa forma, preparado na forma de doces, adicionado aos biscoitos, pães e bolos e também é a base de refrigerante popular dos USA – o “ginger ale” que não fabricam mais no Brasil. Embora leve o nome “ginger”, praticamente nenhum gengibre é adicionado a esse refrigerante, que é pouco saudável. Segue aqui uma receita caseira e saudável desse refrigerante.

Ginger Ale - Saudável
½ litro de água com gás
2 colheres de chá de gengibre finamente picadinho
2 colheres de sopa de mel
Adicione o gengibre e o mel fundo de um copo e misture até formar uma pasta.
Adicione lentamente um pouco de água gelada de cada vez mexendo constantemente.
Sirva com gelo.

As quantidades de gengibre e mel são apenas orientações - ajuste de acordo com seu gosto.

Chá de gengibre
Acredita-se que o chá de gengibre pode melhorar o humor, banir sentimentos negativos e que seu aroma pode elevar o espírito. Tim Ferriss, um famoso escritor americano, bem-sucedido empresário, ativo palestrante e investidor anjo, autor do best-seller “4 horas por semana”, buscou e pesquisou em todo planeta recursos para aumentar o poder do cérebro, inclusive em nootrópicos e drogas inteligentes. Segundo seus relatos, encontrou os melhores resultados numa mistura de gengibre, açafrão que ele adiciona ao chá de erva mate ou ao “pu-erh”, um chá fermentado da planta Camelia sinensis, parente do chá verde. Ele chama essa bebida de “foguete para o cérebro”. Ainda não experimentei, mas deve ser fantástica.

Chá de Gengibre
O gengibre aumenta o fluxo sanguíneo para o cérebro e modula os níveis de açúcar no sangue, ajudando a manter os níveis de energia durante o dia.

Eu pessoalmente tomo todas as manhãs um chá de frutas, flores e gengibre para substituir a cafeína presente nos cafés, que eu adoro, mas aumentam a minha ansiedade e estresse. Tenho colhido bons resultados.

O chá de gengibre é fácil de fazer: Coloque em uma caneca, ¼ de colher de chá de gengibre ralado, despeje 1 xícara de água fervente. Tampe com um prato e espere esfriar. Coe num filtro de café. Adoce com mel à gosto. Se desejar adicione algumas gotas de limão. A dose para crianças é ¼ de xícara a cada 3 horas, não exceder a 2 xícaras por dia.

Elixir de gengibre anti-ansiedade
Existe um tradicional elixir indiano preparado com gengibre que é usado na medicina ayurvédica para trazer equilíbrio e acalmar uma mente hiperativa e ansiosa. Este remédio tradicional indiano equilibra o corpo, aumenta a energia no sistema digestivo, reduzindo assim o excesso de energia na mente. Combinado com o suco de limão que diminui a pressão sanguínea através do fortalecimento dos vasos capilares e estimula constituições fracas, o gengibre acalma o estômago, enquanto o mel controla a instabilidade do açúcar no sangue que acompanha os estados de ansiedade.

O elixir de gengibre é fácil de fazer: Coloque em uma caneca 1 de colher de chá de gengibre ralado, despeje 1 xícara de água fervente. Tampe com um prato, espere esfriar e coe num filtro de café.  Adicione 1 colher de chá de suco de limão. Adoce com mel à gosto.

Suplementos de gengibre
Existem uma grande variedade de suplementos de gengibre no mercado na forma de cápsulas, em pó, óleos essenciais, extratos e tinturas. Além de balas, gelatinas, gomas, etc.

Efeitos colaterais e contraindicações
O gengibre consumido fresco, adicionado a alimentos ou na forma de chás, refrigerante ou elixir é considerado muito seguro. Como o gengibre atua como um anticoagulante do sangue, quem tem problemas de coagulação e usa medicação como a vafarina, devem evita-lo. Se tomar medicamentos para pressão alta ou diabetes, consulte seu médico antes de consumir.

Uma maneira deliciosa e saudável de incluir os benefícios do gengibre na sua vida é adicionando os temperos naturais da Cuesta Sabores nas suas receitas. Nossos temperos FISH, INDIAN, MAROCCAN, THAI e VEGGIE incluem em sua formulação o gengibre necessário para manutenção e prevenção da saúde. Todos sem adição de sal, conservantes, corantes, aditivos químicos ou glutamato monossódico. Clique no link e visite a nossa loja.

Tenha uma longa e saudável vida!

Ozana Herrera










Um comentário: